Borghi Acqua & Fitness

Publicado em: 07/02/2017

Dores no quadril? Lesão de estrutura cartilaginosa pode ser uma das causas

Patologia leva a queixas principalmente na região da virilha e músculos adutores, e limita o atleta em suas atividades. Saiba mais sobre a lesão do lábio de acetábulo.

Dores no quadril? Lesão de estrutura cartilaginosa pode ser uma das causas

Uma das razões para dores no quadril é a lesão em uma estrutura chamada lábio (ou labrum) do acetábulo. Essa patologia leva a queixas principalmente na região da virilha e músculos adutores, e muitas vezes limita o atleta em suas atividades. É uma estrutura cartilaginosa que funciona como uma capa para o quadril.
Ele é responsável por promover um melhor encaixe entre os ossos que compõe essa articulação (cabeça do fêmur e acetábulo) e é fundamental para o seu movimento saudável. Sem o lábio, ou quando ele está muito danificado, o estresse entre os ossos do quadril aumenta consideravelmente, com dados mostrando uma piora na sobrecarga em até 92%.

Tal estresse pode, a longo prazo, provocar um desgaste mais grave na articulação. A lesão no lábio do acetábulo ocorre por duas razões principais: o próprio formato do quadril e a instabilidade da articulação. No primeiro caso, o quadril apresenta variações anatômicas que predispõe o impacto entre os ossos e o lábio, o que vai gerando a lesão. No caso de instabilidade, os ligamentos e músculos do quadril não conseguem manter a articulação estável, ou seja, ele não tem a biomecânica adequada durante os movimentos, o que também leva a impacto e lesão no lábio.

Essas duas situações podem ocorrer concomitantemente, o que é inclusive algo comum e esperado. O tratamento para essa lesão começa com um diagnóstico médico, onde será decidido se há necessidade de uma cirurgia para reparar o lábio lesionado. Em casos não cirúrgicos e após a cirurgia quando ela foi necessária, o tratamento de fisioterapia é muito importante para melhorar o movimento do quadril, estabilizar a articulação, diminuir o stress na região e permitir o retorno do paciente ao esporte.

  • Fonte: Eu Atleta
  • Por: Raquel Castanharo
  • 0 Comentário
Ainda não temos nada digitado..

Foram encontrados 0 registros